Translate

Seguidores

Total de visualizações de página

terça-feira, 11 de novembro de 2008

O Passageiro do Banco de Trás

Numa noite sombria, uma garota viaja sozinha, ela estava na faculdade e estava saindo pro final de semana na casa dos seus pais, ficava meio longe, mas ela sempre fez esse trajeto desde o inicio das suas aulas na faculdade, mas áquela noite era especialmente diferente, dava pra perceber no ar que havia algo diferente, algo aterrorizante por ali e ainda por cima, pra piorar no meio da estrada, distraída, percebe que a gasolina de seu carro está acabando.
   Ela, ja nervosa com o que poderia fazer, imagina acabar a sua gasolina assim no meio do nada? Sua sorte foi ver um posto de gasolina ali, quase incoberto pela névoa um posto de gasolina bem perto dali,(começa a chover) um frentista nada agradável, e gago, atende ela ele com um ar de malandro, da uma olhada no carro de cima a baixo, diz quanto a garota deve pagar, ela entrega seu cartão de crédito a ele que vai para dentro... Olhando ao seu redor, ela poderia jurar de pé junto que aquele posto estava abandonado, estava tudo escuro e a lojinha de conveniência só tinha uma luz fraca,mas o que poderia acontecer ali? ela ja estava dentro do carro mesmo
depois de um curto tempo ele volta e diz que a companhia do cartão está no telefone e pede pra ela descer e atender o telefone, e ela nada boba, pega seu spray de pimenta sem que ele veja e vai até a convieniencia do posto morrendo de medo
Ela vai até la...  Ele tranca aporta...Ela pega o telefone devagar do gancho e ouve que o telefone está mudo, então num flash, ela entendeu tudo, ele ia iria prende-la, estupra-la, só Deus sabe o que aconteceria com ela ali dentro, fica super, hiper assustada pois o telefone está mudo, quando  o frentista chega, meio apavorado para o espanto dela e chega tentando dizer algo mas não consegue pois era gago.
 ela pega o telefone e joga contra a porta que era de vidro, espirra seu srpay no frentista e sai pela porta quebrada...
sai correndo toda machucada entra no seu carro e vai embora, imaginando tudo isso ter acabado, mas que terror! ela já estava pensando na historia pra contar aos seus pais quando chegasse em casa, nisso o frentista vem e consegue finalmente gritar
-TEM ALGUÉM NO BANCO DE TRÁS...
Claro, ela não houve, só se escuta o barulho do machado do individuo que está no banco de trás atravessar sua garganta e bater no vidro esquerdo do carro.
lembre-se antes de sair de carro, verifique o banco de trás, nunca se sabe a hora que um psicopata como este decide atacar.
ESTA FOI A LENDA DO BANCO DE TRÁS DO CARRO

A LENDA DA BLODDY MARY




 A alguns anos atrás, uns bons 30 anos, um colégio do sul dos Estados Unidos, se preparava pro seu baile de fim de ano, dos formandos...
  Esse colégio, não era conhecido pela benevolência dos alunos, haviam muitas panelinhas no colégio, e esses garotos quando estão com implicância com alguém, dá até medo!! Pois é, acontece que uma garota, Mary, denunciou outros garotos por venderem drogas na frente do colégio, e esses garotos não queriam deixar nenhum pouco barato.
  Eles armam pra ela, um dos garotos a convida pro baile, ela sem acreditar muito, aceita.
  Ele a ilude, dizendo juras de amor e além do mais, duas outras amigas também estavam passando pelo mesmo, outros dois caras as convidaram para fazer uma brincadeira, a ideia, era dopa-las e deixa-las largadas nuas por ai.
 Acontece que enquanto um dos rapazes colocava um certo remédio desconhecido, é percebido pela Mary, que logo desencana do rapaz que está com ela e ponha-se a correr, naturalmente, o rapaz vai atrás dela, fazendo a correr por uma distancia enorme, até chegar em um galpão abandonado, sua ideia, era se esconder ali.
  É só isso que se sabe dessa história, nunca mais se ouviu falar de Mary, suas amigas se recusam a falar qualquer coisa com medo dos garotos, seu corpo até hoje, teve um paradeiro desconhecido.
  A lenda diz que se você dizer "sangue de mary"(ou para os estado-unidenses Bloddy Mary)  três vezes na frente do espelho, ela aparece com sua sede de vingança, e não se pode fujir dela.