Translate

Seguidores

Total de visualizações de página

domingo, 7 de agosto de 2016

O Boto Cor-de-Rosa

     Quem nunca ouviu falar sobre folclore brasileiro? Claro que qualquer pessoa séria nem daria bola pra isso, afinal nossas histórias são cheias de coisas impossíveis que parecem mais histórias de pescador.
      Porém as historias, principalmente lendas urbanas surgem sempre de uma história que realmente aconteceu, claro que depois de passado a diante, a história acaba perdendo completamente seu real significado.
     Hoje vou contar para vocês a história do boto cor-de-rosa, muito presente no folclore brasileiro. O boto cor-de-rosa realmente existe, ele é o maior golfinho de água doce, e também possui um dos mais desenvolvidos ecolocalizadores do mundo,  a sua coloração rosada se deve ao tipo de rio em que vivem. O boto pode ser encontrado na Floresta Amazônica e também na Mata Atlântica assim com em alguns estados do norte do nosso país, assim como alguns outros países que ali cercam, como Bolívia e Venezuela.  Mas ok, chega de encher linguiça e bora pra história.
    Vinicius era um jovem que morou no interior do Pará, ele nunca acreditou muito em lendas ou qualquer tipo de superstição, se dizia ateu, gostava de perceber e interpretar as coisas do mundo de um jeito lógico e simples, tudo como a ciência e a física pudesse explicar.   Vinicius, se sentia meio deslocado no meio das pessoas por pensar dessa forma, sua vida não era fácil pelos seus gostos que não combinavam em nada com o estilo de vida das pessoas que o cercavam.
   Num certo dia, ele pensou em caminhar com dois amigos dentro de uma floresta pra procurar algumas frutas como mucuri, castanhas, pupunha e qualquer outra coisa que achassem por lá, os amigos de Vinicius não sabiam, mas ele gostava também de fumar maconha, e seu real objetivo ali na floresta era poder fumar em paz.
    Em determinado ponto, decidiu se separar dos seus amigos e buscou um canto para ficar em paz, usando a desculpa que precisava ir ao banheiro, claro que os amigos não entenderam bem, mas bem, deixaram pra lá.   Como passou sua vida por aquelas bandas, Vinicius conhecia aquelas florestas muito bem, jamais se perderá dentro delas, mas nesse dia algo incomum estava acontecendo, ele encontrou um arbusto com alguns frutos muito curiosos, claro que certamente parecia venenoso, mas como o medo de morrer não era algo em sua vida, quer dizer, ele já até pensou sobre isso e algumas vezes até desejou, bom, ele resolveu comer e ver no que daria, ele foi comendo o fruto que parecia quase uma framboesa de coloração azul, e não eram mirtilos, ou amoras, simplesmente jamais vira aquilo na sua vida.
    Depois de uns minutos andando, se deu conta de que estava perdido agora, a mata estava densa e ele não sabia o que fazer, então depois de andar um pouco, escutou o barulho de um rio, assim então resolveu seguiu o barulho.  Conforme ia ficando mais nítido o barulho do rio, mas frio estava fazendo e a preocupação de Vinicius só aumentava.   Até que de longe ele viu, um garoto de aparência angelical sentado num tronco perto da água, estava salvo agora, ia lá e perguntar pro garoto como ir embora.
   Aquele garoto não parecia com ninguém que ele conhecia, e ele estava estranhamente arrumado pra alguém que estava no meio da mata, mesmo assim, ele não estava com medo, apesar de intrigado, tinha que ir até o garoto.  
   - Você gostou das frutas? Disse o garoto com a voz mais linda que ele ouviu na vida.
    - Do que você está falan.. Peraí como sabe que eu comi as frutas? num tom surpreso, respondeu ao garoto.
   - Bom, o cheiro delas é de longe o cheiro que mais gosto. 
  Ok, agora ele estava realmente começando a se assustar, mas não era só isso que estava sentindo,  mas que diabos de menino era aquele, de onde veio? Precisava saber, então resolveu perguntar ao garoto, que estava lá sentado, sem falar nada, na maior calma do mundo.
    - O que faz um garoto como você, todo arrumado aqui na floresta? não sabe que é perigoso? Eu nunca vi você por esses cantos, você não é daqui não é? Por que ao menos não colocou uma roupa de caminhar na floresta? Eram tantas perguntas, que Vinicius, pensou que ele nem fosse responder todas.
     - Você não gosta de como me visto? Eu sou daqui sim, você não me conhece por que apareço de maneiras diferentes pras pessoas.
     - Do que você tá falan...
Sem poder terminar de falar, o garoto já tinha levantado e estava olhando pra ele com o olhar tão penetrante e lindo que ele não pode resistir, logo sem ao menos saber o que estava fazendo, tomou uma atitude, e quando menos percebeu estava beijando o menino e que beijo!!!
    Seu mundo estava rodando, muitas coisas estavam se passando em sua mente, sua vida, as questões que ele sempre ignorou, sua infelicidades e como se esse fosse seu ultimo sopro de vida, mas ele estava gostando muito daquilo, era de longe a melhor coisa que aconteceu na sua vida, podia ficar ali o dia todo até que.
    -VINICIUS!!! CUIDADO!!! VOCÊ ESTÁ LOUCO? SAI DESSE RIO MULEQUE.
Seus amigos estavam atrás, e olhou assustado pra trás e quando olhou pra frente de volta, viu que não tinha um garoto na sua frente, mas um golfinho de pele rosa que o mirava os olhos, nem tinha percebido, mas a água no rio já estava no seu peito, como ele foi parar ali? há um minuto ele estava de pé em solo firme.
    O boto foi embora e seus amigos vieram e o ajudaram.  Bom, ele jamais pensaria em contar essa história pra ninguém, mas assim que foi tirado da água pelos seus amigos, todos eles saíram correndo em direção a cidade sem dizer uma palavra.
     Quando chegou em sua casa, a sua mãe indignada com a sua roupa molhada e sua cara branca de espanto, quis saber o que tinha acontecido e antes que ele pudesse dizer alguma coisa o seu amigo falou por ele.
     - Foi o boto cor-de-rosa, nós vimos!