Translate

Seguidores

Total de visualizações de página

sábado, 10 de agosto de 2013

Entendendo um pouco sobre as pirâmides e o TRIÂNGULO DAS BERMUDAS

 As Pirâmides do Mundo
        Existe uma matriz formada por linhas espaciais regulares e simétricas ao redor da Terra que produz uma rede de forma geometricamente pura e eqüidistante do seu centro. Essas linhas são conhecidas como “lee-lines”.
        Essa rede tem pontos nevrálgicos onde são produzidos naturalmente Vórtices Energéticos; vários redemoinhos em forma espiral ascendente.
        Esses pontos geográficos nevrálgicos estão distanciados harmonicamente entre si ao redor do planeta, e neles não existe magnetismo. Usando a tecnologia adequada pode-se anular a gravidade de qualquer

objeto em seu campo de ação.
        A raça de Gêmus foi responsável por estudar e traçar esta malha magnética na Terra, identificando os portais, ou seja, os pontos ou vórtices de energia.
        As civilizações antigas sabiam da existência dessa rede e conheciam a localização exata dos pontos neutros. Construíram nestes pontos suas pirâmides, permitindo utilizar a inesgotável energia desta rede.
        O conhecimento dessa rede energética permite captar, organizar e distribuir as diferentes energias necessárias.
        Conhecendo a localização dos pontos nevrálgicos da rede planetária pode-se usá-la para transformar essas energias inesgotáveis por exemplo, em força mecânica.
        Para entender a razão física que produz as anomalias magnéticas e gravitacionais sobre a rede energética da terra; vejamos como funciona um ímã de ferro: ele tem uma área com carga negativa e outra positiva, e no centro dos dois pólos magnéticos uma zona neutra, onde existe um fluxo magnético. O campo magnético negativo flui no sentido contrário do ponteiro do relógio e o campo magnético positivo, flui à favor do ponteiro do relógio. Entre os dois campos de polaridade oposta, a zona neutra é chamada de Muro de Bloch ou ponto do vórtice diamagnético; um ponto de transição neutra, onde não existe nenhum tipo de magnetismo, nem negativo; nem positivo. Na zona neutra a força se manifesta onde os pólos ficam em contato.

         Pontos magnéticos como do ímã, existem no planeta sobre as regiões próximas aos Trópicos de Câncer e Capricórnio.
        Sobre esses Muros de Bloch, localizam-se os pontos nevrálgicos da rede energética do planeta. São pontos onde acontecem anomalias magnético-gravitatórias onde são provocadas anomalias físicas, como a flutuação espontânea e misteriosos desaparecimentos como o do Triângulo das Bermudas (o local exato onde existiu a Atlântida), o Triângulo do Diabo e o Triângulo do Dragão entre outros.
        É lógico que os aviões que passam pelos locais onde não existe força de gravidade perdem seu peso e desaparecem. São expulsos ao espaço ou as forças condensam sua matéria; se desequilibram e são desintegrados no ar.
        Os pontos geográficos que mostram anomalias magnéticas; estão sobre os paralelos 30o Norte e 30o Sul, que se localizam as distâncias harmônicas entre si. A 18.190 anos; a 30º de latitude e 30o de longitude localizava-se a Pirâmide de Quéops. Hoje seu vértice está a 30o exatos de latitude paralela ao equador e sobre 29o58’51” de longitude à leste de Greenwich devido ao movimento das placas tectônicas continentais. A maioria dos locais que tem uma relação harmoniosa com esta rede, tem pirâmides construída exatamente nestes pontos.

         Sobre esses pontos, passa a rede energética do planeta, em diferentes níveis de freqüência de vibração desde a mais simples; a vibracional; até a mais complexa; a Energia Taquiônica. A rede básica está formada por um Icosaedro; 20 triângulos eqüiláteros que se dividem sucessivamente em seu interior em matrizes cada vez de menor escala.
        A rede é o padrão, o plano, a idéia que ordena a forma que se caracteriza a matéria, é a semente que contém no seu interior um código, uma maneira de organizar o desenvolvimento de todo o Ser vivo.
        Tudo que existe tem uma rede, uma semente e assim a vontade e o pensamento são a semente das criações mentais.
        A palavra pirâmide vem do grego PYRA que significa luz ou fogo, e de MYDOS que significa medição. Por sua vez, baseada nas palavras URRIM e MIDEEN que significa medidores de luz.
        Os sumérios chamavam de ESH que significa fonte de calor. Os maias no outro lado do Atlântico as chamavam PIRHUAMANCO que é foneticamente similar, o que significa o mesmo; revelador de luz. A posição exata das pirâmides em relação ao Sol faz com que suas diferentes façanhas sirvam para indicar o local em que o observador se encontra e suas sombras indicam a direção leste.
        A lenda atribui a construção a um personagem incrível: THOTH – o atlante; Chiquitet Arelich Vomatites, também chamado de Khufu ou Hermes; os sumérios o chamavam Nannar-sin; os romanos Mercúrio; os maias Quetzacoatl e os gauleses Theutates (nas placas esmeraldas; hoje desaparecidas; escritas por Hermes Trimegisto ou Thot; afirma ser o construtor das pirâmides).
        A pirâmide é uma antiga máquina que através de sons produz freqüências que aceleram as ondas mentais e conduzem à transmutação.
        A origem da alquimia se perde no tempo, sendo mais antiga do que a história da humanidade. Seu verdadeiro início é desconhecido e envolto em obscuridade e mistério. Assim, seu surgimento confunde-se com a origem e evolução do homem sobre a Terra. É a arte de trabalhar e aperfeiçoar os corpos com a ajuda da natureza. Diz que o alquimista é a pessoa que quer converter chumbo em ouro, entretanto realmente a alquimia é a busca para se conseguir a transmutação.
        O último dilúvio universal (12.960 anos) mudou o campo eletromagnético da Terra, o movimento das placas tectônicas tirou a incidência da energia da galáxia do ápice das pirâmides do mundo todo.
        A partir desse dilúvio a Freqüência de Ressonância Schumann (energia da galáxia) não incide mais no ápice. Houve um deslocamento de 1.600 km do pólo norte/sul para o ponto original. A influência magnética que as pirâmides recebiam até o dilúvio universal, está fora; por isso as pirâmides do mundo, hoje estão inativas, talvez só 2% do que deveriam da sua capacidade.
        Com o último Tsunami da Ásia, o eixo da terra mudou mais 0,26o e houve uma aceleração de 0.8 minutos da rotação da Terra. Isso mudou ainda mais o campo eletromagnético da Terra; as pirâmides ao invés de receber a incidência da energia cósmica, no vórtice de energia, hoje está do lado, a espiral não tem mais a possibilidade de ter uma hiper atividade energética como antes.
        Por isso, hoje elas não produzem a mesma energia que antes, de levitação, de cura instantânea, de transmutação, etc. Foram abandonadas porque não geram mais energia taquiônica.
        A única maneira de reativá-las seria trazer a pirâmide mais para o eixo (realinhar), mas isso é impossível, ou voltar os pólos magnéticos da Terra ao original que também é impossível porque o planeta continua inclinando (hoje está em 23° 26' 21,418") e só em 22/12/2012, com o raio sincronizador, é que volta a verticalização, com um outro “dilúvio”.
        Na época do último dilúvio universal, o campo eletromagnético da Terra era de 11 gauss, hoje está em 3,4 gauss, baixou muito; em 2012 o campo eletromagnético vai zerou, e quando isso ocorre, há uma inversão de polaridade, o planeta Vênus é o único que ainda está com os seus pólos invertidos no Sistema Solar. É por isso que Jesus e outros seres, outros mensageiros de Deus, utilizam Vênus como “entrada” no Sistema Solar porque a inversão de seus pólos facilita a utilização dos vórtices de energia, produzindo assim um portal dimensional para todas as esferas. A Terra irá se tornar um desses portais a partir da inversão de seus pólos.